sexta-feira, 22 de setembro de 2017

CAMPANHA Projeto "Quebrando o Silêncio"


Histórico do Projeto

Quebrando o Silêncio é um projeto educativo e de prevenção contra o abuso e a violência doméstica promovido anualmente pela Igreja Adventista do Sétimo Dia em oito países da América do Sul, (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai) desde o ano de 2002.
A campanha se desenvolve durante todo o ano, mas uma das suas principais ações ocorre sempre no quarto sábado do mês de agosto. Este é o “Dia de ênfase contra o abuso e a violência”, quando ocorrem passeatas, fóruns, escola de pais, eventos de educação contra a violência e manifestações na América do Sul.
Todos os dias a mídia apresenta um quadro de violência assustador. Crianças, mulheres e idosos são as principais vítimas, Segundo a Organização Mundial de Saúde, a violência responde por aproximadamente 7% de todas as mortes de mulheres entre 15 e 44 anos no mundo. Em alguns países, até 69% das mulheres relatam terem sido agredidas fisicamente e até 47% declaram que sua primeira relação sexual foi forçada. Por isso, o projeto tem como objetivo prevenir e combater a violência contra crianças, mulheres e idosos, além de orientar as vítimas na busca de ajuda dos órgãos competentes, quebrando assim o ciclo de violência. A violência doméstica é nutrida pela ignorância. Assim, para combater esse mal é preciso trazê-lo a público, examiná-lo e dar a solução necessária. Os cidadãos em geral devem se tornar parte dessa solução e o primeiro passo é a prevenção, procurando alcançar todas as faixas etárias.

Objetivos

A Campanha Quebrando o Silêncio tem como objetivos:
  • Conscientizar a população em geral, em particular as crianças, mulheres e idosos sobre a importância de pôr um basta à violência, através do ensino de regras simples e eficazes de prevenção e sobrevivência ao abuso.
  • Orientar as famílias, pais e filhos, educadores e alunos sobre o assunto, levando esclarecimento quanto a seus direitos e alertando quanto à necessidade de quebrar o silêncio e buscar junto aos órgãos competentes o apoio necessário.
  • Promover a paz para um mundo melhor por meio da distribuição de panfletos, revistas e palestras, formando um padrão cultural de que a violência na família é inaceitável.
  • Resgatar os valores cristãos do amor e respeito ao próximo, fortalecendo as famílias, que é facilitadora da interiorização de valores.
  • Coibir abusadores.

Justificativa

Muito se tem falado de violência doméstica ultimamente. O governo, ONGs, instituições religiosas e empresas privadas estão se unindo para pôr fim a esse mal que assola a sociedade em todos os níveis. Notícias aterradoras têm deixado o mundo em comoção. Dentro e fora do Brasil, imagens da mídia chocam a população.
O abuso infantil, a violência contra a mulher e o abuso ao idoso abrangem grande parte da violência familiar e ocorrem justamente no lugar em que as pessoas deveriam se sentir mais seguras – seu próprio lar.

Proposta

  • A Campanha “Quebrando o Silêncio” tem o intuito de orientar as vítimas na busca de ajuda dos órgãos competentes, quebrando assim o ciclo da violência.
  • Mobilizar autoridades, educadores e educandos, pais e filhos a fim de sensibilizá-los acerca da problemática apresentada.

Materiais

Todo ano são produzidos diversos tipos de materiais, como: Revista Adulto,  Revista Infantil, Folders, Cartaz, Camiseta, Faixa, Outdoor, Adesivos, Banner, Vídeos e Apresentações de palestras.

Temas abordados nas campanhas:

  • Dizendo Não à violência
  • Eu quero Paz
  • Família, cuide, ame e proteja
  • Lições de Vida – Idosos
  • O amor é … Dicas
  • Paz para um mundo melhor
  • Quando o inesperado acontece
  • Seu filho e os perigos da internet
  • Bullying
  • Gente importante – Inclusão Social
  • Seu filho e os perigos da internet
  • Traumas da Violência, caminhos da superação

Ações

  • Passeatas: A campanha promove passeatas para distribuição de folhetos e revistas visando à informação e a conscientização da comunidade.
  • Palestras: Palestras são ministradas em colégios para pais professores e alunos com o intuito de alertar os mesmos a importância de quebrar o silêncio.
  • Ações Comunitárias: Ações comunitárias com apresentações musicais, teatrais e seminários são realizadas em praças, auditórios, shoppings e estádios.
  • Materiais: Foram distribuídas 5.636.404 Revistas, 16.897.015 panfletos e milhares DVDs. (até 2013)

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Material Referência


Guia Adolescentes e Jovens para a Educação entre Pares

A série de fascículos Adolescentes e Jovens para a Educação entre Pares, do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), como o próprio nome indica, é destinada a adolescentes e jovens. Tem como objetivo auxiliá-los(as) no desenvolvimento de ações de formação para promoção da saúde sexual e saúde reprodutiva, a partir do fortalecimento do debate e da participação juvenil.


Abaixo os links para download de cada fascículo:


Adolescências: Juventudes e Participação

http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Adolescencia.pdf

Diversidades Sexuais

http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Diversidades.pdf

Álcool e outras drogas

http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Diversidades.pdf

Gêneros

http://spe-gge-rj.blogspot.com.br/2010/07/guia-adolescentes-e-jovens-para.html

Metodologia de Educação entre pares


http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Metodologia.pdf


Prevenção das DST, HIV e Aids

http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Prevencao_DSTs.pdf

Raças e Etnias


http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Racas_Etnias.pdf


Sexualidades e Saúde Reprodutiva


http://www.undime-rj.org.br/arquivos/spe/Folder_Sexualidade.pdf






























Fonte: http://spe-gge-rj.blogspot.com.br/2010/07/guia-adolescentes-e-jovens-para.html









Material Referência - SED - POLÍTICA PREVENÇÃO E CADERNO PEDAGÓGICO














Material Referência: CADERNO SOBRE DIVERSIDADES - FURB - MÓDULO 2





sexta-feira, 17 de junho de 2016

PROJETO ADOLESCÊNCIA SAUDÁVEL ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES

EEB Prefeito Higino Aguiar
Município: Araquari/SC
22ª GERED
Rua: Geral nº 570 - Bairro: Itinga
CEP 89245000 – 47 34651682
eefhiginoaguiar@sed.sc.gov.br
Gestora: Maria Lenilda Rita Hackbardt

Coordenadores: Profª Consolação
                           Enfª Teresinha Nunes

INTRODUÇÃO: 


A EEB Higino Aguiar está localizada no bairro Itinga, Rodovia SC 301 S/N km 05, em Araquari. A Escola conta com uma população de 1.095 alunos, distribuídos em turmas do ensino fundamental do 5º ao 9º ano e ensino médio do 1º ao 3º ano.

O Projeto Adolescência Saudável contempla o binômio saúde-educação, tendo como foco a prática de hábitos saudáveis entre os escolares do ensino médio e fundamental.

Segundo a UNESCO o papel da educação é “dotar a humanidade da capacidade de dominar o seu próprio desenvolvimento, tendo como base a participação responsável dos indivíduos e das comunidades”. Para Valadão (1999) o ambiente escolar é um espaço privilegiado das vivências da infância e da adolescência, períodos decisivos na formação de valores, hábitos, atitudes e comportamentos.

Considerando que a adolescência é um período de vulnerabilidade, e que nesta fase se operam transformações e crescimentos marcados por desorganizações físicas, sociais e psíquicas, sendo necessário reorganiza-las (ARRUDA, et all. 2005). Portanto, o investimento voltado para prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, HIV/AIDS e gravidez precoce, visando a participação direta do público vulnerável, ou seja, o adolescente é imprescindível. Inseri-lo como protagonista na execução deste projeto é o meio mais eficaz para alcançar o objetivo de prevenção e promoção da saúde.
Segundo ARRUDA et all, nessa fase da vida algumas atitudes e modo de perceber o mundo, o outro e a si mesmo são influenciados pelo grupo onde o adolescente está inserido e com o qual se identifica. Considerando tal contexto, o adolescente torna-se por si só, multiplicador de ideias, valores e concepções, constituindo-se em recurso valioso no processo educativo para mudanças de hábitos e atitudes.


PÚBLICO ALVO:

Estudantes do Ensino Médio e Fundamental da EEB Higino Aguiar no município de Araquari.


JUSTIFICATIVA:

A adolescência, que vai dos 10 aos 19 anos, entre a infância e a fase adulta, é um período complexo que envolve mudanças biológicas, psicológicas e sociais. Este período se constitui socialmente na relação com os adultos, mediadas por significados e expectativas que servem de referencias para os adolescentes como forma de identificação e inserção social.

Nessa perspectiva, é necessário considerar que a adolescência é um processo complexo de emancipação e de protagonismos que pressupõe escolhas e fazeres que por um lado são pessoais, por outro são determinadas pelas estruturas social e institucional. Tais fatores aliados à exposição deste segmento populacional a inúmeros riscos, pressupõe o incremento da vulnerabilidade dos agravos à saúde, dentre eles a violência, uso de drogas, DST/HIV/AIDS e outros como gravidez não planejada.

O Brasil registrou 630 mil casos de pessoas vivendo com HIV até 2012. Em Santa Catarina desde o primeiro caso registrado de Aids em 1984 até 2011, as taxas de incidência continuam crescendo, inclusive entre as gestantes. Constituindo-se no segundo Estado do país com maior taxa de incidência de Aids entre os jovens de 15 a 24 anos.
Comparando os casos notificados de 2006 a 2014, verificamos que Araquari se ocupa o terceiro lugar em número de casos Aids da região nordeste. Destes 36,5% estão na faixa etária adolescente e jovem (de 15-34 anos). A escolaridade é um indicador utilizado para descrever a pauperização da epidemia de AIDS, dos casos analisados residentes no município, apenas 5% possui escolaridade superior.

Em se tratando dos casos de violência sexual, a situação também é preocupante, pois as crianças e adolescente (0 a 14 anos) somam 70% dos casos registrados no município. (SINAN Net 2006 - 2014)

Analisando a situação da gravidez precoce em Araquari, 37,5% das parturientes do município estão na faixa etária de 12 a 20 anos. (SINASC - janeiro a agosto de 2014)

Pesquisas mostram que a idade média de iniciação sexual do brasileiro está em torno dos 15 anos, porém em alguns segmentos populacionais a faixa cai para 13 anos. Justificando a necessidade de colocar ênfase nas ações de prevenção e promoção da saúde direcionada ao enfrentamento da vulnerabilidade à infecção pelo HIV, DST e gravidez não planejada dos segmentos da população inseridos na educação básica.

Entendendo que a educação sexual conduzida de forma a promover a autoestima e o autocuidado leva os adolescentes a retardar o início de suas atividades sexuais. Este projeto pretende abordar a exposição dos jovens à transmissão pela via sexual, levando em conta que a adolescência e a juventude são fases de iniciação de novos comportamentos e relacionamentos, fator este que define os adolescentes como grupo populacional vulnerável.


OBJETIVO GERAL:

Capacitar adolescentes para atuarem como multiplicadores de conhecimentos e atitudes saudáveis na sua rede social (família, escola, amizades).


OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Capacitar adolescentes na área da sexualidade, contemplando aspectos psicoafetivos, biológicos e socioculturais;
Discutir com os jovens a importância de estarem inseridos em ações de políticas públicas;
Estimular a vivência de sua sexualidade com responsabilidade, abordando questões da saúde reprodutiva, DSTs/HIV/AIDS e violência sexual;
Promover o crescimento individual e coletivo dos jovens adolescentes, contemplando espaços para reflexões críticas sobre seus valores e favorecendo o desenvolvimento de ações éticas;
Estimular o protagonismo juvenil, assegurando a sua participação no planejamento e execução das ações.



METODOLOGIA:

Primeira etapa:        

Escolha do grupo de alunos voluntários: realização de uma oficina de sensibilização nos 1º anos do ensino médio matutino e 8º ano do turno intermediário, com objetivo e buscar os adolescentes voluntários para integrar o grupo de multiplicadores.

Entrega do termo de responsabilidade aos alunos, futuros multiplicadores, para que estes entreguem a seus pais e devolva assinado. Este termo visa manter os pais cientes dos compromissos que seus filhos estão assumindo, bem como os conteúdos a serem abordados.

Segunda etapa:

Realização de uma oficina para discutir e definir os assuntos que serão abordados nas oficinas de formação.

Realização de 10 oficinas de formação, nas quais serão abordados temas previamente definidos, utilizando leitura e discussão de textos, dinâmica de grupo, oficinas de arte e criação, feira da saúde, criação de blog e outras.

 A equipe de educadores/facilitadores do projeto será composta por profissionais da saúde: psicóloga, enfermeira, professores e demais profissionais da rede de saúde do município de Araquari.

  As atividades serão acompanhadas por professores voluntários e ministradas por profissionais de saúde.



RECURSOS DE PESSOAL:

01 Enfermeira da Secretaria de Estado da Saúde
01 psicóloga da Secretaria de Saúde de Joinville
01 Psicóloga da Secretaria de Saúde de São Francisco do Sul
Profissionais da Secretaria de Saúde de Araquari
Professores e estudantes da 8ª série do ensino fundamental e 1ª        série do ensino médio da Escola Higino Aguiar.


RECURSOS MATERIAIS:

Fornecidos pelas secretarias envolvidas no projeto.
         
Temas definidos para serem desenvolvidos nas oficinas: 

1. Mudanças do corpo na adolescência;
2. Sexualidade/saúde sexual na adolescência/ a primeira relação sexual;
3. Relacionamentos: ficar, namorar, amar, “rolo”, tem hora para começar?
4. Gravidez na adolescência;
5. Métodos contraceptivos;
6. Baladas/festas;
7. Mecanismos para enfrentar riscos/ árvore do prazer;
8. Diversidade sexual e preconceitos;
9. DST/HIV/Aids/HV na adolescência.
10. Automutilação na adolescência.



REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental,1997. MEC/SSEF. Brasília, 1997.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde de Adolescentes e Jovens. Orientação para Organização de Serviços de Saúde. 2005. Brasília.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes para Implantação do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas. Brasília, 2007.

CASTRO M.G; ABRAMOVAY M; SILVA L.B. Juventude e sexualidade. UNESCO, Brasília, 2004.

 VALADÃO, M.M. Saúde, Sexualidade e Educação – Experiências integradas na vida. Artigo Grupo – 1. 2000.

 ARRUDA,FRANCISCA et al. Simpósio Internacional do Adolescente.2005

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA. Estudo “do Comportamento Sexual e Percepções da População de Santa Catarina em Relação ao HIV AIDS”.  Florianópolis. 2006
RELATÓRIO: SEXO - FAIXA ETÁRIA - REGIONAL

Imagens do Projeto devidamente autorizadas feitas na EEB Higino Aguiar.







   

Materiais Referência - Formação Continuada NEPRE/ Joinville
























CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NEPRE - 22ª GERED/Joinville




CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NEPRE - será realizado em três etapas em Joinville.

PERÍODO DO EVENTO: 17 e 18/05/2016, 10 e 11/08/2016 e 19/10/2016.
HORÁRIO DO CURSO: 13:30 às 17:30 horas
LOCAL: AUDITÓRIO CEDUP – Exceto a data do dia: 18/05/2016 que acontecerá na EEB Germano Timm


1ª Etapa - 17 e 18/05/2016